segunda-feira, dezembro 20, 2010

A ben dezêre, tou quasi sin rancôre.

Deve de sêre do Natale.

Boas festas pra todos.

... menos pra esses calhagotos desses pelíticos.

Amódes c'os mês votos é c'os pelíticos vão todos bardamerda e que nos dêxen têre un Natale en paz.

Pra eles desêjo que venha uma coisa calqueri c'os bote no desemprego, sen denhêro e sen nada pra comêre.
...

Tãomaqui a dezêre queste sintimento num é cristão.

Mas ê quero dezêr-vos uma coisa: É munto defícil ser cristão com a barriga vazia ao lado de outros com ela tan cheia...

terça-feira, dezembro 14, 2010

A BARATA TONTA

A barata, que nos sai cara, além de ser também anda tonta.

Tonta? Tontinha!

Tontinha e gay, quer-se dizer, alegre, que é o q'gay quer dizer.

Diz agora uma coisa e daqui a pouco o seu contrário.

Tão depressa é assim como já é assado.

E de cada vez que diz acha-se piada a si próprio.

Porreiro,pá!

E, encerrado naquele mundinho da inimputabilidade, sofre vertigens consecutivas e espasmos narcísicos que fazem concorrência a qualquer dose cavalar de cocaína nos cornos!

Vá lá, meus caros amigos: Não se esqueçam de agradecer a suas excelências os governantes deste país.

E agradecer todos os dias!

Afinal, NÓS é que não merecemos governantes tão bons!!!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

DESPERTAR É PRECISO

Na primeira noite eles aproximam-se e
colhem uma Flor do nosso jardim
     e não dizemos nada.


Na segunda noite, Já não se escondem;
pisam as flores, matam o nosso cão,
     e não dizemos nada.


Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua e, conhecendo o nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,
Já não podemos dizer nada.

Eduardo Alves da Costa, poeta fluminense, in "No Caminho com Maiakovski"

domingo, dezembro 05, 2010

A GENTALHA MERDALHOSA QUE SE CUIDE!

O Estado social está em vias de extinção.
Alguns entendem essa extinção, anunciada e mesmo já visível, como uma inevitabilidade.
Não tem de o ser.
E será bom que o estado social, enquanto tal, não seja extinto.


será bom que esta gentalha merdalhosa que nos (des)governa saiba que ao acabar com o estado social a maioria da população passa do estado da bovinidade (o actual) para um estado de "perdido por um perdido por mil".


E nada mais tem a perder.


E nada tendo a perder, a natureza humana encarregar-se-á de operar uma mudança radical, uma mudança que neste momento a dignidade não consegue reivindicar por vias menos radicais.


Um país que não produz o suficiente para alimentar a economia institucional acrescida do inevitável assalto à coisa pública, num país com tantos ladrões sentados em cadeiras de poder e, por outro lado, com tanta e tanta gente sem trabalho, sem dinheiro, sem horizontes de vida minimamente digna e sem esperança, um país assim é um barril de pólvora.


O fosso entre um punhado de ricos e uma maioria de pobres é cada vez maior.


A rédea que refreia a populaça empobrecida e os mantém numa letargia bovina é o pouco que resta do estado social enquanto tal.


Desaparecendo o estado social, fica apenas a fome, a miséria, a indignidade, a ausência de esperança...


...e a pouco e pouco é a revolta que se vai instalar...


a ver vamos...

quarta-feira, dezembro 01, 2010

QUEM PÁRA ESTA LOCOMOTIVA DESGOVERNADA?

O Governo anunciou a criação de um instituto público (mais um) com vista a controlar a despesa do Estado por via, designadamente, das parcerias público-privadas.

As parcerias público-privadas são uma das formas institucionais mais descarada, e perniciosa, de assalto (vulgo roubalheira) do erário público pelo decisor político e seus capangas.

Toda a gente o sabe (excepto...  quase toda a gente, ou seja, os da cor, os distraídos, os desinteressados ...)!

E o Governo e demais gentalha política também o sabem, assim como as instituições europeias.

E tanto o sabem que lhe foi imposta a necessidade de controlar a despesa por essa via.

Várias questões me assaltam, para além do assalto de sou e somos alvo por banda desta cambada abjecta:

1 - De nada vale controlar as parcerias público-privadas, pelo simples motivo de o problema maior se situar a montante, ou seja, na própria decisão política;
      - Na verdade, é o decisor político que decide fazer obra e infelizmente ninguém controla (nem, e sobretudo, o Parlamento)  se tal obra é necessária ou, sendo, se é necessária a sua dimensão por vezes megalómana;
      - Ninguém controla o teor do contrato, as suas cláusulas que, em regra favorecem apenas e injustificadamente o co-contratante privado, numa ruinosa gestão dos dinheiros públicos;
      - Ninguém controla a taxa de juro de tais financiamentos, sempre astronómicos, muito acima do valor de mercado dos respectivos activos financeiros;

2 - A criação de um tal instituto serve ainda duas vertentes qual delas a mais perniciosa para o Estado, ou seja, todos nós;
      a) É mais uma instância de colocação de boys dos partidos políticos, pois são todos nomeados pelo Governo (pois então!), pagos a peso de ouro por nós, apenas para justificarem e darem aura de credibilidade à roubalheira descarada;
      b) Permitirá um discurso político de isenção da responsabilidade do decisor político;
      c) Constituirá uma instância de disseminação de responsabilidades dos intervenientes nas negociatas;
      d) Pelo que será apenas uma forma de branqueamento de uma actividade tão ruinosa para o país quanto lucrativa para os ladrões que se sentam nas cadeiras dos partidos políticos e de onde se levantam, sempre os mesmos, para ocupar cadeiras do Governo, das empresas que acabam por ser os parceiros privados nas parcerias público-privadas, nalguns bancos, e noutras tantas empresas que, sempre as mesmas, são as adjudicatárias das eternas e megalómanas obras públicas!

Por tudo isto e por muito mais que ainda um dia será dito por alguém com a cabeça entre os ombros, mais uma vez estamos a ser enganados, gravemente prejudicados, pelo poder lobistico-partidário legitimado (pelo voto ignorante) em poder político com funções governativas.


 

domingo, novembro 21, 2010

INEVITABILIDADES DO CAMANDRO OU A TEORIA EXCENTRICA DA EXCLUSÃO CONCENTRICA (versão escatológica)

Enxovalhados, diminuidos, humilhados e empobrecidos pelo torvelinho da crise criada e potenciada pela merdosa classe política, duas coisas devem preocupar-nos:

Ou ficamos indiferentes
Ou não ficamos indiferentes.

Se ficarmos indiferentes, o problema está resolvido, continuamos a ser um vegetal depositante de votos na urna.

Se não ficarmos indiferentes, duas coisas devem preocupar-nos:

Ou se acredita na urna
Ou não se acredita na urna.

Se acreditarmos na urna, o problema está resolvido, pois a urna tanto serve para inumar cadáveres como inumar qualquer voto ou responsabilidade dele decorrente e, nesse caso, continuamos a ser um vegetal depositante de votos na urna.

Se não acreditarmos na urna, duas coisas podem acontecer:

Ou pegamos nos políticos merdosos e lhes enfronhamos a cara à chapada
Ou devem ser entregues às instituições da justiça da República.

Se lhes enfiarmos uns bananos nos cornos, o problema fica resolvido, pois a instituição de "Bananos nos Cornos de Políticos Merdosos" desmotivará futuros incompetentes e corruptos de tentarem ser governo e procederem à roubalheira descarada e institucionalizada da coisa pública.

Se os entregarmos às instituições da justiça da República, duas coisas podem acontecer:

Ou o Ministério Público arquiva
Ou não arquiva.

Se o Ministério Público arquivar, o problema está resolvido, pois englobar o Ministério Público no clube dos políticos merdosos para efeitos de aplicação da instituição dos "Bananos nos Cornos de Políticos Merdosos" parece-me excessivo e, nesse caso, devemos antes concluir que o povo português alcançou o seu limite e, nesse caso, continuamos a ser um vegetal depositante de votos na urna.

Se o Ministério Público não arquivar, duas coisas podem acontecer:

Os políticos merdosos serão condenados
Ou os políticos merdosos não serão condenados.

Se os políticos merdosos forem condenados, o problema está resolvido, pois o funcionamento das instituições da justiça desmotivará futuros incompetentes e corruptos de tentarem ser governo e procederem à roubalheira descarada e institucionalizada da coisa pública.

Se os políticos merdosos não forem condenados, duas preocupações nos assolarão:

Ou pagamos (via impostos) as indemnizações chorudas que os políticos merdosos absolvidos reclamarão do Estado e no pagamento das quais este será indubitavelmente condenado
Ou... pagamos! Não há volta a dar, pois as sentenças dos tribunais são para cumprir (Aaaaaaah hah hah hah!!! Ok, não digo mais graçolas...)

Depois de pagar sem bufar (um gajo, e uma gaja também, pode bufar e até peidar-se, mas de nada adianta) duas preocupações nos assaltam:

Ou ficamos indiferentes.
Ou não ficamos indiferentes.

Se ficarmos indiferentes, o problema está resolvido, continuamos a ser um vegetal depositante de votos na urna...

sábado, novembro 13, 2010

CARTA ABERTA AO SAPATEIRO DE ALENQUER

E eis o que acontece quando um juiz julga poder utilizar a técnica de um qualquer  merdoso politiqueiro.



Meu caro amigo de Alenquer,

As atitudes chico-esperteiras devem ser deixadas ao verdadeiros chicos-espertos.

Não tente fazer em casa aquilo que todos os dias é visto ser feito pelos políticos deste país-zinho.

Dá mau resultado, como é bem de ver.

Ora note, meu caro amigo:

A real chico-espertice
Para poder ser bem feita
Não pode ser escorreita
Mas apenas vigarice!

Não se usa, de todo, a razão
Nem se faz com a verdade!
Não se usa de probidade
E integridade também não!

Ademais,

O chico-esperto verdadeiro
Não é de geração espontânea!
Envolvido em caca e manha
Cresce no meio politiqueiro!

É um bicho inimputável
É um escroque, é um ocioso
É político, é merdoso
E sobretudo inimitável!

Inimitável, pois então!
E o adágio é verdadeiro:
Quem te manda a ti sapateiro
Querer tocar rabecão!?

domingo, novembro 07, 2010

POVO DA TRISTE FIGURA

As auto-estradas suiças são, talvez, das melhores da Europa.

São todas estatais.

A responsabilidade da sua manutenção corre a cargo do Estado.

Os automobilistas, contas feitas, pagam 40,00€ a cada 14 meses.

E é tudo: circulam livremente.

Em Portugal, as auto-estradas não são públicas, estão na mão de privados.

E apesar de, supostamente terem sido construídas maioritariamente com os fundos estruturais europeus, a verdade é que entre concessões e parcerias público-privadas, a despesa gerada por estas enormidades  e os juros estúpidos que se pagam estão, só por si, a afundar-nos no pântano da bancarrota.

E isto só quanto às estradas! Fora o resto!!!

É costume dizer-se que o problema é o modelo de desenvolvimento.

Pois... será...

No entanto, seja qual for o modelo de desenvolvimento, o resultado será sempre o mesmo.

Por uma razão simples: Os energúmenos que enxameiam o poder político, que não passam de marionetas ou homens de mão de outras poderosas figuras da alta finança e da alta sociedade portuguesa (e, claro, não me refiro às lilis caneças...), encontrarão sempre, seja qual for o modelo de desenvolvimento, uma forma de  conduzir o país inteiro, não segundo uma lógica de interesse comum ou colectivo, mas segundo os seus próprios particulares interesses.

É histórico!

Foi sempre assim e sempre assim será!

Das riquezas das Indias nada de estrutural resultou para o país.

Das riquezas do Brasil, nada resultou para o desenvolvimento do país.

Das riquezas de África, nada resultou de avanço para o país.

Chegámos ao 25 de Abril de 74 e ainda éramos o país mais atrasado da Europa (40 anos de atraso, dizia-se!).

Das riquezas da Europa (CEE e CE) pouco resultou em termos estruturais, pois apesar de ter entrado dinheiro a rodos, a roubalheira foi bem maior, tendo-se aplicado dinheiros segundo formulários que legitimavam, aparentemente a boa aplicação do dinheiro, mas afinal destruiu-se a agricultura, destruiu-se as pescas, não se modernizou a maior parte do tecido industrial do país e, finalmente, a formação de competências foi um fiasco e uma das maiores plataformas fraudulentas no ataque aos dinheiros dos fundos estruturais europeus.

E continuamos desqualificados, sem pescas, sem agricultura, sem indústria competitiva.

Continuamos na cauda da Europa.

Este povo não tem garra.

Este povo é pequenino, mesquinho, invejoso, chico-esperteiro.

E os tubarões sabem-no!

Com um povo tão estúpido, qualquer arrivista vendedor de ilusões e banha-da-cobra compra os votos necessários para dar do país aparência de uma democracia e assim legitimar o gamanço a que de seguida se vai dedicar impunemente!

O povo português está nos limites da sua competência colectiva.

Não sabe fazer melhor do que isto.

Essa é que é a verdade, nua e crua!!!!

Basta ver a afirmação do sócrates, aqui há um ano atrás, de que "está ainda para nascer um primeiro-ministro tão bom como eu"!

O que, infelizmente, é verdade!

Por uma vez o desgraçado falou verdade!

Vão ser anos e anos de crise

sexta-feira, novembro 05, 2010

PORTUGAL NA FALÊNCIA!!!

E EIS COMO UMA CAMBADA DE CHICOS-ESPERTOS, DE GENTALHA DA PIOR ESPÉCIE, COM TANTOS ESCRÚPULOS COMO COMPETÊNCIA, SERVIDA POR UM COIO DE CÃES FABRICANTES DE CONTRA-INFORMAÇÃO, MENTIRAS E ENCOBRIMENTO, CONSEGUE, À VISTA DE TODOS, CONDUZIR O PAÍS À BANCARROTA.

PORQUE É QUE NÓS TEMOS DE PAGAR UMA CRISE, MUITO PARA ALÉM DA CRISE INTERNACIONAL, APENAS PORQUE O PAÍS ESTEVE E ESTÁ A SAQUE DE UNS QUANTOS INCOMPETENTES, TRAFULHAS, VERDADEIROS CRIMINOSOS??????????

ONDE PÁRA O MINISTÉRIO PÚBLICO?????!!!!

PORQUE É QUE ESTA GENTALHA COR-DE-ROSA NÃO É LEVADA A JUÍZO????????

OU, À MINGUA DESSAS E DOUTRAS SOLUÇÕES (QUE NUNCA SERÃO IMPLEMENTADAS!), PORQUE É QUE NÃO HÁ UM LEVANTAMENTO POPULAR PARA ENFIAR UNS BANANOS NOS CORNOS DESTA GENTALHA?????

TALVEZ SERVISSE DE EXEMPLO E OUTROS FILHOS-DE-PUTA DOS PARTIDOS POLÍTICOS FICASSEM INIBIDOS DE VOLTAR AO GAMANÇO DO ERÁRIO PÚBLICO, APROPRIANDO-SE DO ESTADO, ENRIQUECENDO À NOSSA CUSTA E DO NOSSO TRABALHO!!!!!

NAAAAAAAAHHHHHHHHH

O PAÍS É MANSO... TEM O QUE MERECE!

quinta-feira, outubro 28, 2010

JUÍZES MADRAÇOS DEDICAM-SE A PASSATEMPO ("bem melhor do que o SUDOKU!", nota Marinho Pinto, o Bastoneiro)

Os juízes portugueses são uns malandros que não querem trabalhar e antes  se divertem com passatempos, como, por exemplo (há milhares de exemplos!) o seguinte passatempo publicado em DR:


O art. 1º do Dec.-Lei nº 35/2010, de 15 de Abril, começa da seguinte forma:

Os artigos 143.º e 144.º do Código do Processo Civil aprovado pelo Decreto -Lei n.º 44 129, de 28 de Dezembro de 1961, alterado pelo Decreto -Lei n.º 47 690, de 11 de Maio de 1967, pela Lei n.º 2140, de 14 de Março de 1969, pelo Decreto -Lei n.º 323/70, de 11 de Julho, pela Portaria n.º 439/74, de 10 de Julho, pelos Decretos -Leis n.os 261/75, de 27 de Maio, 165/76, de 1 de Março, 201/76, de 19 de Março, 366/76, de 15 de Maio, 605/76, de 24 de Julho, 738/76, de 16 de Outubro, 368/77, de 3 de Setembro, e 533/77, de 30 de Dezembro, pela Lei n.º 21/78, de 3 de Maio, pelos Decretos -Leis n.os 513 -X/79, de 27 de Dezembro, 207/80, de 1 de Julho, 457/80, de 10 de Outubro, 224/82, de 8 de Junho, e 400/82, de 23 de Setembro, pela Lei n.º 3/83, de 26 de Fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 128/83, de 12 de Março, 242/85, de 9 de Julho, 381 -A/85, de 28 de Setembro e 177/86, de 2 de Julho, pela Lei n.º 31/86, de 29 de Agosto, pelos Decretos -Leis n.os 92/88, de 17 de Março, 321 -B/90, de 15 de Outubro, 211/91, de 14 de Junho, 132/93, de 23 de Abril, 227/94, de 8 de Setembro, 39/95, de 15 de Fevereiro, 329 -A/95, de 12 de Dezembro, pela Lei n.º 6/96, de 29 de Fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 180/96, de 25 de Setembro, 125/98, de 12 de Maio, 269/98, de 1 de Setembro, e 315/98, de 20 de Outubro, pela Lei n.º 3/99, de 13 de Janeiro, pelos Decretos -Leis n.os 375 -A/99, de 20 de Setembro, e 183/2000, de 10 de Agosto, pela Lei n.º 30 -D/2000, de 20 de Dezembro, pelos Decretos -Leis n.os 272/2001, de 13 de Outubro, e 323/2001, de 17 de Dezembro, pela Lei n.º 13/2002, de 19 de Fevereiro, e pelos Decretos-Leis n.os 38/2003, de 8 de Março, 199/2003, de 10 de Setembro, 324/2003, de 27 de Dezembro, e 53/2004, de 18 de Março, pela Leis n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, pelo Decreto -Lei n.º 76 -A/2006, de 29 de Março, pelas Leis n.º 14/2006, de 26 de Abril e 53 -A/2006, de 29 de Dezembro, pelos Decretos -Leis n.os 8/2007, de 17 de Janeiro, 303/2007, de 24 de Agosto, 34/2008, de 26 de Fevereiro, 116/2008, de 4 de Julho, pelas Leis n.os 52/2008, de 28 de Agosto, e 61/2008, de 31 de Outubro, pelo Decreto -Lei n.º 226/2008, de 20 de Novembro, e pela Lei n.º 29/2009, de 29 de Junho, passam a ter a seguinte redacção: ........................

Divirtam-se, divirtam-se...

quarta-feira, outubro 27, 2010

ESCABROSO
O COMPORTAMENTO DOS CABRÕES


Enquanto estes merdas se "divertem"



o país encaminha-se para isto:




sábado, outubro 23, 2010


THE BIG JOKE
(Este texto contém palavras e idéias eventualmente chocantes.
As peles mais sensíveis devem usar protector)

Diz-se por aí que Portugal é um síto mal frequentado e talvez nunca se julgasse possível que viesse a ser assim tal mal frequentado.


Todavia, só pessoas maldosas enveredam por essas enormidades.


Dissparate!


Imaginem que até há quem diga que os políticos são uns filhos-de-puta, uns cabrões, uns merdas, ladrões, chulos e que fossem todos para a puta-que-os pariu-e-ó-caralho!


Que linguagem, meus amigos, que linguagem!!! Uns grosseiros estes tipos....


Uma pessoa preocupa-se em ser tão fino, tão educado, imagine-se, tão refinado e educado ao ponto de estar a ser fodido a torto e a direito e não reage ou nem dá conta... e depois vêm estes grosseiros com palavrões e o caralho (ai, perdão...)...


Gente mal educada, é o que é!


Na verdade, não devemos exagerar. 


... se bem que... é por demais evidente que há por aí uns meliantes engravatados, exímios em inglês técnico e com compulsão congénita para a vigarice que...


Mas serão meros meliantes com ares apaneleirados e unhas de gel??


Ora, perante tão magna questão meti mãos à obra, pesquisei, investi todo o meu labor e creio ter efectuado uma fenomenal descoberta.


Não! Não é uma gentalha qualquer: É toda uma nova sub-espécie de gentalha!


Os seus sinais mais recentes detectam-se, por exemplo, na altura em que a então CEE começou a despejar dinheiro no país.


Nessa altura, os detentores de terras (os verdadeiros detentores de terras, os de nome sonante e centenas e até milhares de hectares!), directamente (porque, sim, eles sentam-se em S. Bento!) ou através dos seus capangas ministros e secretários de estado, trataram de harmonizar as políticas de aplicação dos fundos estruturais europeus com os seus interesses pessoais e dos seus amigalhaços.


Isto porque, é bem de ver, é mais fácil receber milhões para não produzir - o que implica receber sem nada fazer e é quase o mesmo do que receber por dá cá aquela palha - do que ter a trabalheira de gerir as agrárias, os agrários e as agruras do negócio agrário e mais as sementeiras e as colheitas e todas essas arrelias.


Para quê a chatice de cuidar da fruta quando o 'caroço' estava ali à mão se semear?!


O mesmo se passou com as pescas, pois melhor do que pescar o pescado é antes lançar a rede aos subsídios estatais a troco do abate dos... barcos de pesca!


O tecido empresarial, pelo seu lado, embevecido com o dinheiro fácil dos subsídios para tudo e mais um par de botas, descurou a modernização, interessados, tal como os amigos agrários e pesqueiros, em jipes, ferraris e outros bens de consumo, e deitou assim a competividade no caixote do lixo, rindo alarvemente da sua capacidade de sacar dinheito fácil ao sistema.


De resto, o sucesso de tal sub-espécie é de tal ordem que não carecem de adquirir verdadeiras competências.


Basta-lhes fingir que as adquirem ou adquiriram, pois são pessoas de enormes recursos marginais e subterrâneos e uma grande lábia.


Têm seguidores em todo o lado, sempre prontos a receber mais um subsídio, esse sim, o verdadeiro e grande objectivo na vida, ou mesmo a ladrar quando tal lhes é ordenado!


Por isso mesmo, a formação profissional em Portugal, subsidiada pelos fundos europeus, serviu para tudo menos para formar profissionais, que era o que menos importava, pois, como se  sabe, a formação profissional só serve para trabalhar!


De repente, porque a mentalidade criminosa desta nova sub-sub-espécie não conhece limites, inventaram as parcerias público-privadas assentes em contratos que não lembrariam ao próprio diabo!


"Inventaram-se?", perguntam os caros leitores (se os houver), "então essa figura jurídica não existia já?".


Sim, existia, mas não era a mesma coisa...


As parcerias público-privadas à portuguesa consubstanciam essencialmente uma forma de legitimar o assalto ao erário público por banda daqueles que, enquanto governantes, contratam em nome do Estado para logo a seguir passarem a sentar-se na mesa de administração das empresas que outorgaram tais fabulosos contratos: "Porreiro, pá!".


E fazem-no impunemente!!! Mesmo quando o Tribunal de Contas intervém e denuncia o desvario criminoso ao Ministério Público!


E com razão o fazem impunemente! Eles - os da tal sub-espécie - têm consciência de si, sabem muito bem que pertencem a uma nova sub-espécie rapace e dominadora.

Sabem muito bem que estão no topo da cadeia alimentar.

Foi, assim, possível concluir, após laborioso estudo, que constituem uma sub-espécie pertencente à sub-sub-espécie gentalha, a qual, por sua vez constitui uma derivação sofisticada da taralhoca espécie Zé Povinho, que se desenvolveu na parte ocidental da Pensínsula Ibérica, sem grande sucesso, diga-se...

Falamos, naturalmente da portuguesíssima e recente sub-sub espécie chicus-espertus espertus.

sexta-feira, outubro 22, 2010

IMBECIS OU IMBECILIZADOS?

Exactamente! CHICUS-ESPERTUS-ESPERTUS.

O máximo expoente evolucionista do Zé Povinho lusitano.


Esses mesmos vigaristas que desde o Guterres (que ao chegar ao Governo encontrou uma dívida que pouco passava dos 10% do PIB), passando pelo Barroso e acabando nesta peçonha a quem chamam Sócrates e todos os milhares de boys que enxameiam os lugares onde há uma teta da vaca pública, e após muitos negócios altamente lucrativos para os chicus e completamente ruinosos para o Estado (todos nós outros), nos puseram a dever 120% do PIB.


Neste momento (neste momento! e ainda a procissão vai no adro!), cada português deve 17.000 Euros!

Cortam-se os apoios sociais quando os pobres deles mais precisam (basta ver o desemprego crescente) e dão-se de mão beijada 4.500 MILHÕES de euros para salvar o BPN.

17.000 MILHÕES de euros estão contabilizados em OFFSHORES e andam estes palhaços armados em governo atrás do trabalhador por conta doutrém cortando nos benefícios fiscais!


Como tenho vindo a dizer, estes vigaristas conseguiram pôr um país inteiro a trabalhar para eles.

E tudo isto sem pejo ou pingo de vergonha e com total impunidade, nem que para isso eles mesmos, porque são também o legislador, tenham de mudar a lei em seu favor, como fizeram relativamente ao caso Casa Pia onde toda a paneleiragem rosa se safou!

Na Islândia temos o ex-primeiro-ministro a ser julgado pela má gestão da coisa pública - por negligência!


Aqui, a anedota é total e "o povo é sereno" ou então... é mesmo estúpido ou estupidificado!


Mera semântica, pois o resultado está à vista!

sábado, outubro 16, 2010

domingo, outubro 10, 2010

O VERDADEIRO, O AUTÊNTICO CHICO-ESPERTO

(*) Nesta extravagante situação, é curioso relembrar como apareceu (e cresceu) a criatura que nos levou à ruína.
Sócrates veio da província com a ambição de fazer carreira.


Como educação formal, não foi além de um vaguíssimo diploma de engenheiro, extraído à complacência de uma universidade privada.


E, como profissional, não se lhe conhece um currículo respeitável.
E, no entanto, "subiu".


E, assim, Portugal recebeu do céu (na verdade, do Largo do Rato) um primeiro-ministro, obscuro e vácuo, que não lhe merecia, em princípio, a menor confiança.
Mas, tendo votado nesse grosseiro produto do PS, agora não se deve queixar.



(*) Apenas o texto é do Vasco Pulido Valente (extracto do publicado no jornal Público)

domingo, outubro 03, 2010

QUEM CABRITOS VENDE E CABRAS NÃO TEM...
DE ALGUM LADO LHE VEM...

E como é possível, em Portugal, ninguém se perguntar sobre aqueles políticos com os currais cheios de cabritos, mas que nunca tiveram nem têm cabras!!!???

Não há investigação???

...pergunta tola!

Tudo isto é uma ilusão!

O discurso político, apesar de ser uma mistificação, passa e volta a passar, e é aceite uma e outra vez, mesmo quando se diz e desdiz e contradiz com a mesmíssima facilidade de sempre.

Isso acontece, eventualmente, porque do outro lado há toda uma populaça imbecilizada, domesticada, pavlovianamente domesticada!

A cada dia que passa perdemos um pouco mais da nossa soberania, da nossa credibilidade, da nossa identidade.

O melhor que este país foi capaz de produzir foi um sistema que permite a uma qualquer cambada de ladrões, gatunos, corruptos, gentalha da pior espécie, instalar-se em pontos estratégicos de poder político e assaltar o erário público.

Desde o caso melancia, passando pelo que veio a lume e fora o que se ignora, são as faces ocultas, os freeports, os submarinos, as autorizações para urbanizações em área supostamente protegidas, com derrube ilegal de centenas de sobreiros..

São os jobs para os bois  (os bois), as danças das cadeiras que custam milhões e enchem os bolsos dos administradores, são os administradores públicos a ganharem dezenas e dezenas e alguns até centenas de milhares de euros POR MÊS, são as reformas dos políticos por inteiro e ao fim de poucos anos de (eu ía dizer trabalho, mas não digo, para não ser mentiroso!), são as parcerias público-privadas para executar obras de que ninguém precisa mas que enchem os bolsos a uns quantos do partido, são os contratos absolutamente ruinosos para o Estado, pelos quais andamos uma vida inteira a pagar e ainda vai sobrar dívida para os nossos filhos e netos.

Quem é que põe termo a isto????

Portugal está transformado numa coutada de uns quantos que conseguiram pôr um país inteiro a trabalhar para eles.

E tudo isto à vista de todos!

Embora nem todos consigam ver.

Ou não queiram...

Por credulidade ou ... sei lá...

Calhando... sou eu que estou a ver mal...

e todavia... se o monte parece ser merda, se cheira a merda e se sabe a merda, o mais certo é ser mesmo merda!!!

O PAÍS NÃO É A PAISAGEM, SÃO AS PESSOAS...

Se inda ao menos este fosse um país das bananas, sempre podíamos equilibrar a balança comercial com a sua exportação.

Infelizmente, este é um país de bananas!

DE BANANAS!!!

UM FDP É UM FDP É SEMPRE UM FDP!!!

O primeiro-ministro disse que as medidas de austeridade foram decididas com "um aperto no coração".

e de repente lembrei-me do Oscar Wilde

"O que é um cínico? Um homem que conhece o preço de todas as coisas sem lhes conhecer o valor." 



nisto, eis que o Nietczsche me assalta a cabeça:
 
"O cinismo é a única forma sob a qual as almas vulgares se aproximam do que seja a honestidade; e o homem superior terá os ouvidos atentos para todo o cinismo grosseiro ou sutil e se felicitará toda vez que um bufão sem pudor ou sátiro da ciência prosear diante dele."
PETIÇÃO A FAVOR DO FIM DA ATRIBUIÇÃO, ANTES DOS 65 ANOS DE IDADE, DAS PENSÕES DE REFORMA AOS DETENTORES DE CARGOS PÚBLICOS E POLÍTICOS, BEM COMO DA SUA ACUMULAÇÃO.


Para: Presidente da República, Assembleia da República, Primeiro Ministro
Exmo. Senhor Presidente da República
Exmo. Senhor Presidente da Assembleia da República
Exmo. Senhor Primeiro Ministro

Assunto: Fim da atribuição, antes dos 65 anos, das pensões de reforma aos detentores de cargos públicos e políticos, bem como da sua acumulação.

Face à crise que o nosso país atravessa, bem como ao facto de estarem a ser impostos aos portugueses medidas brutais, tais como aumento de impostos, redução nos salários e remunerações, cortes nas pensões de reforma, cortes nos apoios aos trabalhadores desempregados, corte em todos os apoios sociais, aumento do preço dos medicamentos para os que deles necessitam, etc., etc.

Considerando que o Estado gasta anualmente milhões de Euros na atribuição de reformas e outras subvenções a actuais e ex-detentores de cargos públicos e políticos, num regime de privilégio inaceitável e moralmente condenável, tanto mais indecoroso face às restrições impostas aos trabalhadores e aos cidadãos portugueses mais carenciados e desprotegidos.

Considerando que as mais severas restrições devem incidir em quem mais pode e que o exemplo deve ser dado por quem tem tido a responsabilidade de governar ao longo de todos estes anos;

Considerando que a esmagadora maioria dos portugueses só adquire o direito à reforma ou aposentação aos 65 anos, de acordo com os salários que auferiram durante a sua vida activa e com os condicionalismos que a lei impõe;

Os cidadãos subscritores desta petição exigem:

1 – Que sejam cortadas, de imediato, todas as pensões de reforma atribuídas aos actuais e ex- detentores de cargos públicos e políticos que não tenham atingido ainda os 65 anos de idade.


2 – Que sejam cortadas, de imediato, todo o tipo de acumulações de pensões pelo exercício de cargos públicos e políticos e que estas também não possam ser acumuladas com remunerações auferidas no exercício das suas actividades profissionais.


3 - Que o calculo e o regime para a atribuição das suas pensões de reforma sejam, de imediato, iguais ás dos demais trabalhadores portugueses;


Setembro de 2010


Os signatários
 
 
assinar em : http://www.peticaopublica.com/PeticaoAssinar.aspx?pi=P2010N3117

sábado, outubro 02, 2010

INCAPACIDADE

Gostaria de poder dizer algo sério sobre o país, a situação, os governantes.


Não consigo.


Simplesmente não sou capaz.

Desconsidero de tal forma esta gentalha que se diz representante do povo que falar deles num plano que denotasse alguma (sequer) consideração pelas suas pessoas seria uma aberração, uma coisa mirabolante.


Na verdade, sinto-me incapaz de associar alguma imagem de humanidade, de capacidade, de valor ou de uma qualquer qualidade de pessoa humana a estes sócrates, passos, portas, louçãs, jerónimos e o caralho!


Nem consigo entender como é que ainda há gente a votar  de cruz.


Estes bandalhos saqueiam o país, conduzem o país à ruína e... não acontece nada!!!


Deixo aqui uma frase que me enviaram, tal como a recebi:


"PORTUGAL É HOJE UM PARAÍSO CRIMINAL ONDE ALGUNS INOCENTES IMBECIS SE LEVANTAM PARA IR TRABALHAR, RECEBENDO POR ISSO DINHEIRO QUE DEPOIS LHES É ROUBADO PELOS CRIMINOSOS E AJUDA A PAGAR ORDENADOS AOS ILUMINADOS QUE BOLSAM CERTAS LEIS."*

*Barra da Costa, criminologista

CHEIRO A ESTURRO...

Cheira-me que se porventura os hipermercados vendessem pólvora em pacotinhos de quilo, esta merda era capaz de estourar...

ou talvez nem assim...

sexta-feira, setembro 17, 2010

A VERDADE É COMO O AZEITE: Precisa de um pouco de vinagre...

Pois bem...


O Governo entendeu anular o concurso para a construção do TGV e da terceira travessia sobre o Tejo.


Não há massa para tal!


Ou seja, anos e anos de roubalheira, corrupção e desmandos vários de todos os governos deste desgraçado país, deixaram-nos à beira da bancarrota.


O eufemismo utilizado é a "falta de condições económicas e financeiras"!


Ninguém duvida!


Excepto, talvez, o PCP e o BE, não pela manifesta tolice ali reinante, mas  apenas pela fidelidade ideológica cega ao princípio de "mais Estado".


"Falta de condições económicas e financeiras"???!


Desde quando estes senhores se sentiram incomodados ou tiveram um qualquer rebuço em gastar dinheiro público?


Naahhhhhhh...


A questão é bem outra, segundo o que ouvi de uma conversa entre o Naifa e o Mortalha.


Note o caro leitor (tenho sempre a impressão que tenho um só leitor, mas que vem cá muitas, ou talvez apenas algumas vezes), dizia, note o caro leitor o seguinte:


Ao concurso do TGV apresentaram-se a Mota-Engil do Coelhone, com uma proposta acima dos 2000 milhões de euros;
E apresentou-se uma concorrente espanhola com uma proposta economicamente mais vantajosa, abaixo dos 2000 milhões de euros.

Tá-se mesmo a ver a quem deveria ser adjudicada a obra!

Ora, como evitar tal desastre?


E dizia o Mortalha: Mén, o governe diz que já nã faz o TGV iócaneco! Nuá massa mén!


Naifa: Népia meu, é tanga!


- Tanga!? É a crise mén, nuá mêmo massa tás a vere!?


- Népia mén! quercedezêre... nuá massa é vardade, mas a cena é a das parceiras privadas, tás a vere?! atão se fosse tu entregavas o negócio à tua puta ou à parceira espanhola? hã, hã?


- Fosca-se, num tou a pruceber meu...


- Mén, mais vale anulare o negócio e assim, quando fazerem o concurso no feturo a puta dos gajos pode vir a ganhar o concurso que agora tava a perder, prucebes?

terça-feira, setembro 07, 2010

PARCEIRAS PÚBLICO-PRIVADAS

Naifa - mén, arranjei agora uma cena buédafixe! vou ganhar uma pipa de massa!


Mortalha - fosca-se mén, num vais agora entrar nu meu bizinesse e estragarmacena!


- népia mén! é uma parceira públicóprivada queu arranjei mén!


- ahh! já óvi falar... mas essa cena mén é complicada... yah mén mas parece fixe e é capaz de dar uma uma pipa de massa iócaneco!


- ui...!


- ...mas ouve lá... mas tu conheces malta da pelítica e isso?


- da pelítica?!


- yah mén, a malta da pelítica é faz essas cenas das parceiras públicóprivadas iucaneco... fosca-se... numedigas quetinscraveste num partido??


- népia mén, tunatás é a ver a coisa mén!


- ...?!


- Ouve: Eu pensei cá pramim «atão estes gajos fazem lá umas parcerias públicóprivadas qué uma negociata do camandro e comem todos da mêma gamela purcaquilo dá pra tudo e eu anjinho ando aqui ós caídos? nãã...»


- fosca-se mém num prucebo nada...


- foi aí queu tive a idéia! «yah meu!!» tás a vere?


- népia mén...


- epá foi só copiar o tipo da coisa prucebes, o coiso pá... o modelo do negócio, prucebes? e... bem, pensei cuqueu tinha a fazere era arranjar também um parceiro!


- ahh!...


- bem... neste caso uma parceira purqueu num sou de mariquices...


- e atão?


- atão carranjei uma parceira e falei cuela e disse-lhe «ouve lá ó minha, queres ser a minha parceira públicóprivada?»


- e ela?...


- ela num prucebe nada de pelítica e purisso num tava a pruceber nada maseu xpliquei «ouve lá minha, a cena é esta: eu sou o parceiro privado e tu és a parceira pública tás a vere? tu fazes o teu negócio público... mas ouve, mas a cena é atinada purqueu protejo-te, compro tas camisinhas, o sabenete e a toalhinha tás a vere? e óspois entregas-me a massa e eu divido contigo»! Fixe né??

PARA QUEM SÓ CONHECE MARTELO,QUALQUER PROBLEMA É UM PREGO!!!

"Estava há dias a falar com um amigo meu nova-iorquino que conhece bem Portugal.



Dizia-lhe eu à boa maneira do "coitadinho" português:


Sabes, nós os portugueses somos pobres ...


Esta foi a sua resposta:



Como podes tu dizer que sois pobres, quando sois capazes de pagar por um litro de gasolina, mais do triplo do que pago eu?

Quando vos dais ao luxo de pagar tarifas de electricidade e de telemóvel 80 % mais caras do que nos custam a nós nos EUA?


Como podes tu dizer que sois pobres quando pagais comissões bancárias por serviços e cartas de crédito ao triplo que nós pagamos nos EUA?


Ou quando podem pagar por um carro que a mim me custa 12.000 US Dólares (8.320 EUROS) e vocês pagam mais de 20.000 EUROS, pelo mesmo carro? Podem dar mais de 11.640 EUROS de presente ao vosso governo do que nós ao nosso.


Nós é que somos pobres: por exemplo em New York o Governo Estatal, tendo em conta a precária situação financeira dos seus habitantes cobra somente 2 % de IVA, mais 4% que é o imposto Federal, isto é 6%, nada comparado com os 20% dos ricos que vivem em Portugal. E não contentes com estes 20%, pagais ainda impostos municipais.


Além disso, são vocês que têm " impostos de luxo" como são os impostos na gasolina e gás, álcool, cigarros, cerveja, vinhos etc, que faz com que esses produtos cheguem em certos casos até certos a 300 % do valor original., e outros como o imposto sobre a renda, impostos nos salários, impostos sobre automóveis novos, sobre bens pessoais, sobre bens das empresas, de circulação automóvel.


Um Banco privado vai à falência e vocês que não têm nada com isso pagam; outro, uma espécie de casino, o vosso Banco Privado quebra, e vocês protegem-no com o dinheiro que enviam para o Estado.

E vocês pagam ao vosso Governador do Banco de Portugal, um vencimento anual que é quase 3 vezes mais que o do Governador do Banco Federal dos EUA...


Um país que é capaz de cobrar o Imposto sobre Ganhos por adiantado e Bens pessoais mediante retenções, necessariamente tem de nadar na abundância, porque considera que os negócios da nação e de todos os seus habitantes sempre terão ganhos apesar dos assaltos, do saque fiscal, da corrupção dos seus governantes e autarcas.

Os pobres somos nós, os que vivemos nos USA e que não pagamos impostos sobre a renda se ganhamos menos de 3.000 dólares ao mês por pessoa, isto é mais ou menos os vossos 2.080 €uros.

Vocês podem pagar impostos do lixo, sobre o consumo da água, do gás e electricidade. Aí pagam segurança privada nos Bancos, urbanizações, municipais, enquanto nós como somos pobres nos conformamos com a segurança pública.


Vocês enviam os filhos para colégios privados, enquanto nós aqui nos EUA as escolas públicas emprestam os livros aos nossos filhos prevendo que não os podemos comprar.


Vocês não são pobres, gastam é muito mal o vosso dinheiro.

Vocês, portugueses ou são uns estúpidos ou uns mansos."*

 
 
* Recebido por e-mail de fonte não identificada

sábado, setembro 04, 2010

UM DIA EM QUE ME ENCONTRO MENOS PACHORRENTO

O penhasco está À CUNHA!



Tal como UM mar, que se estende desde a rebentação,AQUI em baixo, até ao horizonte DA SALA.


Uma suave brisa DA VENTOINHA DESPENTEIA-ME.


Ergo a cabeça levemente e semicerro os olhos em busca DOS ÓCULOS SEM OS QUAIS NADA VEJO.


ENCHO o peito e retenho O AR até exalar o último átomo de DESALENTO.


Junto à SECRETÁRIA, um PROCESSO desliza em voo rasante, cumprindo o seu desígnio de perpetuação.


Estou num cais, como quem FICA, e olho o mar, como quem PARTE...

terça-feira, agosto 10, 2010

UM DIA EM QUE ME ENCONTRO MAIS PACHORRENTO...

O penhasco está deserto.
Tal como o mar, que se estende desde a rebentação, lá em baixo, até ao horizonte.
Uma suave brisa agita-me.
Ergo a cabeça levemente e semicerro os olhos em busca das fragâncias salinas.
Delas encho o peito e retenho-as até exalar o último átomo de tensão.
Junto à água, uma gaivota desliza em voo rasante, cumprindo o seu desígnio de perpetuação.
Estou num cais, como quem parte, e olho o mar, como quem fica...

domingo, agosto 01, 2010

FELIZANÇAS

Em verdade, em verdade, vos digo:

Felizes dos que vêm no actual Ministério Público um verdadeiro órgão essencial à defesa da ordem jurídica e do regime democrático, da legalidade democrática!

Felizes dos que vêm o sistema jurisdicional eficaz, eficiente e imparcial!

Felizes dos que vêm no governo um órgão de condução da política do país (e não de poderes privados) visando o interesse público (e não interesses subterrâneos)!

Felizes dos que crêm num só primeiro-ministro, todo-poderoso, criador do Freeport sem mácula original!

Felizes dos que acreditam que o povo é quem mais ordena!

Felizes dos que acreditam que a classe política não é a mais vil e chungosa que a sociedade é capaz de parir!

Felizes dos acreditam que o Estado é uma pessoa de bem!

Felizes dos que se deslocam das suas habitações para ir aplaudir freneticamente um político, debaixo de uma overdose de deslumbramento do poder!

Felizes dos crentes que, sistematicamente e com renovada esperança, depositam o seu voto nas urnas de sufrágio!

Felizes dos que acreditam que o sistema de ensino existe para ensinar os nossos filhos!

Felizes dos que acreditam que o sistema nacional de saúde existe para nos tratar e prevenir a doença!

Felizes dos que acreditam nas instituições públicas!

Felizes dos que vêm nos gestores de empresas públicas e de capitais públicos gente competente!



Felizes daqueles para quem branco é branco e preto é preto, amarelo é amarelo e vermelho é simplesmente vermelho!

Felizes dos que ignoram!


Felizmente, em Portugal ainda há pessoas felizes.

Infelizmente, eu não faço parte desse afortunado grupo.

FUCK!!!

sexta-feira, julho 16, 2010

IMPRESSIONANTE, A BANDALHEIRA EM QUE ESTE PAÍS SE TRANSFORMOU!!!

Se é que se transformou...
e nao, simplesmente, a bandalheira que é este país ponto final!

Os níveis de pobreza e injustiça social atingem níveis nunca antes vistos.

E segundo a OCDE, nos próximos anos Portugal vai distanciar-se ainda mais dos restantes países europeus.

A produtividade mais baixa da UE;

Escassa vitalidade e inovação do sector empresarial;

Salários mínimos e médios mais baixos da UE;

Educação e formação profissional deficientes (até os cidadãos dos novos membros da UE, países da Europa central e oriental têm melhor qualificações e educação formal do que nós!);

Mau uso dos fundos públicos (puro eufemismo para designar a roubalheira ao erário público tão visível e patente ao longo dos últimos anos);

O gasto excessivo da máquina do Estado face aos magros resultados;

Nos últimos anos acentuou-se a divergência da economia portuguesa face à dos países mais avançados da OCDE;

Tendo mais professores por quantidade de alunos que a maior parte dos membros da OCDE, a educação e formação profissional portuguesas, todavia, não são competitivas com as dos restantes países  industrializados;

A crise económica é paga pela classe dos mais desfavorecidos;

Os únicos contribuintes que verdadeiramente entram com imposto REAL nos cofres do Estado são os trabalhadores por conta doutrem, pois descontam logo à cabeça.


Mas há mais:

A máquina de cobrança de impostos burocratizou-se e julga cumprir bem a sua missão ao transformar a cobrança em esbulho, porque cobrança cega, e, incapaz de flexibilidade e, consequentemente, de encaixar dinheiro, apenas gera contencioso tributário que vai apodrecer nos tribunais tributários até à prescrição final!

Milhões e milhões de euros de impostos que prescrevem anualmente, porque a máquina da justiça é insuficiente, está subdimensinada em termos técnicos e humanos e a ineficácia da Administração fiscal alimenta constante e fortemente  esse contencioso tributário, tornando-a ainda mais impotente e inoperante.

Mas não desanimem, nem tudo é mau para todos.
O país tem sectores com sinais de grande vitalidade: 

Nos últimos 20 anos, Portugal foi o país que recebeu mais benefícios por habitante em fundos comunitários. (Não! Não perguntem "onde foi parar esse dinheiro?")

Os gestores públicos portugueses definem eles próprios os seus niveis salariais e, por isso mesmo, podem ver-se vencimentos MENSAIS de 90.000,00€ mais ajudas e fringe benefits.

Os profissionais liberais nem precisam de off shores para fintar o fisco, por mero exemplo:
   - Médicos, dentistas e arquitectos simplesmente declaram anualmente, em média, rendimentos de 17.680,00€!
   - Advogados declaram em média, por ano, um rendimento de 10.864,00€!
   - Os engenheiros declaram rendimentos anuais de 8.382,00€!

Os partidos políticos dispõem de verbas astronómicas que ninguém controla e ninguém sabe de onde provêm!

Há um conjunto de empresas privadas, com conselhos de administração e gestores que já foram (e podem voltar a ser) ministros, secretários de estado, chefes disto e daquilo e que, a maior parte das vezes associados a financeiras poderosas, formalizaram contratos fabulosos com o Estado, beneficiados com quantias monetárias astronómicas, em negócios onde não correm o mínimo risco, onde tudo está garantido com o dinheiro dos cidadãos, a troco não se sabe bem de quê!

Há zonas do país (por exemplo, zonas das indústrias ou ex-industrias texteis) onde existem mais Ferrari's por metro quadrado do que em Itália!

Os representantes de marcas de luxo, Ferrari, Porsche, Lamborghini, Maserati y Lotus lamentam não dar vasão a todos os pedidos que, entretanto, aumentaram 36 por cento!

Finalmente, é de notar que o país, nalguns sectores, está muito avançado:

Desde há alguns anos a esta parte já é possível fazer cadeiras de cursos superiores, por exemplo inglês técnico em curso de engenharia, por fax e ao domingo!

Outro exemplo é o sector do Governo.
Temos o Governo mais avançado de entre os países da OCDE:
Enquanto nos restantes países os respectivos governos, quais baratas tontas, perspectivam os elementos da crise e adoptam medidas para a ultrapassar, o primeiro-ministro português perspectiva aumentar e aumenta os impostos para a classe que trabalha por conta doutrem e no mais adopta um país imaginário e sorri (parece que sorrir faz bem à pele...)

segunda-feira, julho 12, 2010

HIBERNAÇÃO DA GALINHA DOS OVOS DE OURO

O regabofe da obra pública de finalidade espúria ao interesse público (mas tão de feição a certos interesses privados) e da obra pública necessária mas suportada por contratos ruinosos para o Estado ( mas tão proveitosos para certas entidades privadas), esse regabofe parece estar em lume brando.

E porquê?, perguntarão vossemecês.

- "O decisor político desenvolveu uma consciência crítica!"

- Não!

- "O decisor político abandonou a senda do assalto à coisa pública!"

- Não!

- "Ah! Já sei! O decisor político fez um curso intensivo sobre valores morais, ética e sentido de Estado!"

- Também não!

- "Bem... então só pode ser..."

- Isso, isso!

- "... não me digam que..."

- Isso, isso...

-"Não posso!"

- Oh Yeah!

- "Bem... mas isso quer dizer que..."

- Ah, poisé!

-"... assim que voltar a haver dinheiro..."

- Hum hum

-"volta tudo ao mesmo!"

- Yep! É uma questão de... tempo!

-"Nããooooooooo!

sexta-feira, julho 09, 2010

PARA MOER

«As pessoas da Ásia eram escravas, porque não tinham aprendido a pronunciar a palavra 'não'.»
Alexandre, o Grande.


«Eu sou livre, independentemente das regras à minha volta.
Se as achar toleráveis, tolero-as.
Se as encontrar demasiado abomináveis, quebro-as.
Eu sou livre porque sei que apenas eu próprio sou moralmente responsável por tudo aquilo que faço.»


Professor Bernardo de la Paz, _The Moon is a Harsh Mistress_, by Robert Heinlien


terça-feira, junho 15, 2010

ARREPIA PENSAR NOS DANTAS (OS DA METÁFORA) QUE POR AÍ ANDAM, INDA HOJE! OU TALVEZ HOJE MAIS DO QUE NUNCA!

MANIFESTO ANTI-DANTAS

(excerto)







Basta pum basta!!!



Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi. É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!



Abaixo a geração!



Morra o Dantas, morra! Pim!



Uma geração com um Dantas a cavalo é um burro impotente!



Uma geração com um Dantas ao leme é uma canoa em seco!



O Dantas é um cigano!



O Dantas é meio cigano!



O Dantas saberá gramática, saberá sintaxe, saberá medicina, saberá fazer ceias pra cardeais, saberá tudo menos escrever que é a única coisa que ele faz!



O Dantas pesca tanto de poesia que até faz sonetos com ligas de duquesas!



O Dantas é um habilidoso!



O Dantas veste-se mal!



O Dantas usa ceroulas de malha!



O Dantas especula e inocula os concubinos!



O Dantas é Dantas!



O Dantas é Júlio!



Morra o Dantas, morra! Pim!



O Dantas fez uma soror Mariana que tanto o podia ser como a soror Inês ou a Inês de Castro, ou a Leonor Teles, ou o Mestre d'Avis, ou a Dona Constança, ou a Nau Catrineta, ou a Maria Rapaz!



E o Dantas teve claque! E o Dantas teve palmas! E o Dantas agradeceu!



O Dantas é um ciganão!



Não é preciso ir pró Rossio pra se ser pantomineiro, basta ser-se pantomineiro!



Não é preciso disfarçar-se pra se ser salteador, basta escrever como o Dantas! Basta não ter escrúpulos nem morais, nem artísticos, nem humanos! Basta andar com as modas, com as políticas e com as opiniões! Basta usar o tal sorrisinho, basta ser muito delicado, e usar coco e olhos meigos! Basta ser Judas! Basta ser Dantas!



Morra o Dantas, morra! Pim!



O Dantas nasceu para provar que nem todos os que escrevem sabem escrever!



O Dantas é um autómato que deita pra fora o que a gente já sabe o que vai sair... Mas é preciso deitar dinheiro!



O Dantas é um soneto dele-próprio!



O Dantas em génio nem chega a pólvora seca e em talento é pim-pam-pum.



O Dantas nu é horroroso!



O Dantas cheira mal da boca!



Morra o Dantas, morra! Pim!



O Dantas é o escárnio da consciência!



Se o Dantas é português eu quero ser espanhol!



O Dantas é a vergonha da intelectualidade portuguesa!



O Dantas é a meta da decadência mental!



E ainda há quem não core quando diz admirar o Dantas!



E ainda há quem lhe estenda a mão!



E quem lhe lave a roupa!



E quem tenha dó do Dantas!



E ainda há quem duvide que o Dantas não vale nada, e que não sabe nada, e que nem é inteligente, nem decente, nem zero!



(...)

E fique sabendo o Dantas que se um dia houver justiça em Portugal todo o mundo saberá que o autor de Os Lusíadas é o Dantas que num rasgo memorável de modéstia só consentiu a glória do seu pseudónimo Camões.



E fique sabendo o Dantas que se todos fossem como eu, haveria tais munições de manguitos que levariam dois séculos a gastar.



Mas julgais que nisto se resume literatura portuguesa? Não Mil vezes não!



Temos, além disto o Chianca que já fez rimas prá Aljubarrota que deixou de ser a derrota dos Castelhanos pra ser a derrota do Chianca.



E as pinoquices de Vasco Mendonça Alves passadas no tempo da avózinha! E as infelicidades de Ramada Curto! E o talento insólito de Urbano Rodrigues! E as gaitadas do Brun! E as traduções só pra homem do ilustríssimos excelentíssimo senhor Mello Barreto! E o frei Matta Nunes Moxo! E a Inês Sifilítica do Faustino! E as imbecelidades do Sousa Costa! E mais pedantices do Dantas! E Alberto Sousa, o Dantas do desenho! E os jornalistas do Século e da Capital e do Notícias e do Paiz e do Dia e da Nação e da República e da Lucta e de todos, todos os jornais! E os actores de todos os teatros! E todos os pintores das Belas-Artes e todos os artistas de Portugal que eu não gosto. E os da Águia do Porto e os palermas de Coimbra! E a estupidez do Oldemiro César e o Dr. José de Figueiredo Amante do Museu e ah oh os Sousa Pinto hu hi e os burros de cacilhas e os menos do Alfredo Guisado! E (o) raquítico Albino Forjaz de Sampaio, crítico da Lucta a quem Fialho com imensa piada intrujou de que tinha talento! E todos os que são políticos e artistas! E as exposições anuais das Belas-Arte(s)! E todas as maquetas do Marquês de Pombal! E as de Camões em Paris; e os Vaz, os Estrela, os Lacerda, os Lucena, os Rosa, os Costa, os Almeida, os Camacho, os Cunha, os Carneiro, os Barros, os Silva, os Gomes, os velhos, os idiotas, os arranjistas, os impotentes, os celerados, os vendidos, os imbecis, os párias, os ascetas, os Lopes, os Peixotos, os Motta, os Godinho, os Teixeira, os Câmara, os diabo que os leve, os Constantino, os Tertuliano, os Grave, os Mântua, os Bahia, os Mendonça, os Brazão, os Matos, os Alves, os Albuquerques, os Sousas e todos os Dantas que houver por aí!!!!!!!!!



E as convicções urgentes do homem Cristo Pai e as convicções catitas do homem Cristo Filho!...



E os concertos do Blanch! E as estátuas ao leme, ao Eça e ao despertar e a tudo! E tudo o que seja arte em Portugal! E tudo! Tudo por causa do Dantas!



Morra o Dantas, morra! Pim!



Portugal que com todos estes senhores conseguiu a classificação do país mas atrasado da Europa e de todo o Mundo! O país mais selvagem de todas as Áfricas! O exílio dos degredados e dos indiferentes! A África reclusa dos europeus! O entulho das desvantagens e dos sobejos! Portugal inteiro há-de abrir os olhos um dia - se é que a sua cegueira não é incurável e então gritará comigo, a meu lado, a necessidade que Portugal tem de ser qualquer coisa de asseado!



Morra o Dantas, morra! Pim!





José de Almada Negreiros

Poeta d'Orpheu

Futurista E Tudo

1915