domingo, outubro 03, 2010

QUEM CABRITOS VENDE E CABRAS NÃO TEM...
DE ALGUM LADO LHE VEM...

E como é possível, em Portugal, ninguém se perguntar sobre aqueles políticos com os currais cheios de cabritos, mas que nunca tiveram nem têm cabras!!!???

Não há investigação???

...pergunta tola!

Tudo isto é uma ilusão!

O discurso político, apesar de ser uma mistificação, passa e volta a passar, e é aceite uma e outra vez, mesmo quando se diz e desdiz e contradiz com a mesmíssima facilidade de sempre.

Isso acontece, eventualmente, porque do outro lado há toda uma populaça imbecilizada, domesticada, pavlovianamente domesticada!

A cada dia que passa perdemos um pouco mais da nossa soberania, da nossa credibilidade, da nossa identidade.

O melhor que este país foi capaz de produzir foi um sistema que permite a uma qualquer cambada de ladrões, gatunos, corruptos, gentalha da pior espécie, instalar-se em pontos estratégicos de poder político e assaltar o erário público.

Desde o caso melancia, passando pelo que veio a lume e fora o que se ignora, são as faces ocultas, os freeports, os submarinos, as autorizações para urbanizações em área supostamente protegidas, com derrube ilegal de centenas de sobreiros..

São os jobs para os bois  (os bois), as danças das cadeiras que custam milhões e enchem os bolsos dos administradores, são os administradores públicos a ganharem dezenas e dezenas e alguns até centenas de milhares de euros POR MÊS, são as reformas dos políticos por inteiro e ao fim de poucos anos de (eu ía dizer trabalho, mas não digo, para não ser mentiroso!), são as parcerias público-privadas para executar obras de que ninguém precisa mas que enchem os bolsos a uns quantos do partido, são os contratos absolutamente ruinosos para o Estado, pelos quais andamos uma vida inteira a pagar e ainda vai sobrar dívida para os nossos filhos e netos.

Quem é que põe termo a isto????

Portugal está transformado numa coutada de uns quantos que conseguiram pôr um país inteiro a trabalhar para eles.

E tudo isto à vista de todos!

Embora nem todos consigam ver.

Ou não queiram...

Por credulidade ou ... sei lá...

Calhando... sou eu que estou a ver mal...

e todavia... se o monte parece ser merda, se cheira a merda e se sabe a merda, o mais certo é ser mesmo merda!!!

9 comentários:

maria disse...

sem sola, sem gáspia, sem contraforte nem palmilha e sem conserto.
É o que se vive cá pelo burgo.
Boa noite Xavier já tinha saudades tuas..:-))

xavier ieri disse...

Querida maria!

Acho que estou um pouco nostalgico.
Já nos "conhecemos" há alguns anos e já me inspiraste... sim, porque a tua aura sente-se mesmo tendo de permeio uma blogosfera (como soe dizer-se).

Mudando de assunto...
Caneco maria!
Tenho plena consciência de que a natureza humana pode ser um empecilho... ou talvez não.
Talvez seja apenas um critério de selecção.

Mas se o for, penso que é possível ser e fazer um pouco melhor do que tem sido feito por esta pestilência que tomou conta do poder nos últimos anos (e não só).

è certo que não há santos e os pecadilhos conferem-nos a dimensão humana, seguramente!
No entanto, há-de haver por aí alguém com algum sangue nobre nas veias, que não necessariamente azul.
Estamos, colectivamente, enquanto povo, a precisar de alguma nobreza de carácter, de acreditar, pelo menos, que há ainda alguém com alguma nobreza de carácter.

diconvergenciablog disse...

Toda a gente sabe disso. Um pastor, um trolha, um médico, um empresário, etc...
Que quer que o pessoal faça?
Era preciso um lider, seguidores, dinheiro, armas, xii
isso dava muito trabalho
ehehe

diconvergenciablog disse...

Mais vale sair do País, dá menos trabalho

:)

maria disse...

Até a minha aura ... (outrora carapaça incorruptível a dias de chuva e flores secas) se vai esvanecendo...
Já nem avisto a "fenetre eclairé" do Paul Elouard ...
Tentada estou a seguir o conselho do diconvergencia ... pirar-me, dar de frosques, sair desta merda de sitio onde de facto só cheira mesmo a merda.
Vou deixando de acreditar, Xavier ... hoje então, com nuvens cinza por cima da cabeça, não há positive que me valha.
Bj e sorriso (o que me resta)
maria

xavier ieri disse...

Vá lá...
Animem-se...
Afinal, o resmungão sou eu!

Vou confessar-vos uma coisa: A vontade é, de facto, pirar-me daqui.
Por razões várias, não posso.
Por razões variadíssimas, não podemos nunca...

O maior drama é, precisamente maria, deixar de acreditar.
Não por um tragadeiro ablativo da fé, mas antes pela clarividência cada vez mais aguda que nos esvazia da esperança.

Para tentar evitar tudo isso, virei-me para mim próprio, re-centrei-me.

Não egoisticamente, mas num plano de auto-consciência com imposição do dever de alheamento das coisas más e acolhimento de todas as coisas boas da vida.

Estou mais próximo dos que me são queridos, das minhas coisas, dos meus lugares...

Voltei até a pescar (é mais dar banho à minhoca e não, não é pura perda de tempo, é ter, sentir o tempo e usá-lo)

e voltei a pintar e a escrever umas coisas...

O que mais se pode pedir, digam-me lá!

maria disse...

Nada, Xavier. Está tudo no sitio. Assim o peixe esteja também, e que te não falte a tecla e o pincel, para transformar em bonito o que de feio absorves por aí. Mas vê lá ... cuidado com a construção da carapaça e com as coordenadas.
Bj e dias bonitos.
PS. Sabes que adoro pescar? Tenho saudades imensas das gargalhadas que dava quando tirava um peixe de dentro de água.

xavier ieri disse...

"cuidado com a construção da carapaça e com as coordenadas"...

HAh!

Sempre essa tremenda argúcia...

Quanto à pesca, é isso mesmo! 'tás no ponto!

Sacar um peixito dá direito a uma "dança da chuva".

Se pequeno, volta para a água, mas a festa, essa já 'tá no papo!.

maria disse...

Belissima gargalhada me proporcionaste. Bom dia de sol :-)