sexta-feira, abril 14, 2006

CHÁ E PORRADAS

- Caros amigos, silêncio, vá lá, acalmem-se... como sabem estamos reunidos no meu sótão a fim de encontrarmos uma forma, lícita (lícita, hem?) de dar uns tabefes ao Zé Socras e à cambada que compõe o seu governo miserável.
- Lícita? Isso não é possível!
- É possível, sim senhor. Ora, atentem na seguinte doutrina jurisprudencial: "Castigos moderados aplicados a menor por quem de direito, com fim exclusivamente educacional e adequados à situação, não são ilícitos. Devendo, no entanto, ter-se consciência de que estamos numa relação extremamente vulnerável e perigosa quanto a abusos.".
- Ena pá, eu ainda não tinha lido. É mesmo assim?
- Portanto, penso que podemos dar uma surra, pelo menos ao Socras, ao Alberto, ao Fernando e ao Pereira e também a um ou outro secretário de Estado...
- Muito bem! Boa! Muito bem! clap, clap, clap clap!!!
- Então, o que eu proponho é o seguinte:
"castigos moderados" corresponde a um bom par de tabefes;
"aplicados a menor"; ora digam-me lá se há alguém maior neste Governo? Não há! Assim sendo só é possível concluir que são todos menores;
"por quem de direito"; somos todos nós! Haverá alguém com mais direito a dar-lhes umas porradas na corneta do que nós, precisamente os "de direito"? (não confundir com os de direita! Nem de esquerda, claro!);
"com fim exclusivamente educacional"; ora aí está: Por isso cada porrada deverá ser acompanhada da expressão "É p'raprenderes! Toma! É p'raprenderes! Toma!);
"e adequada à situação", o que significa que se os gajos quiserem fugir, em vez de uma porrada na tola dá-se-lhes um pontapázio no traseiro, sempre acompanhado da expressão "Toma lá vendedor de banha-da-cobra que é p'raprenderes!";
- Fantástico! E nada disto é ilícito!!! Fabuloso!
- Caros amigos, não se esqueçam, porém, de que, em qualquer caso "deve ter-se consciência de que estamos numa relação extremamente vulnerável e perigosa quanto a abusos". Por isso, sendo a relação com quem diz que governa, nossa e dos restantes cidadãos, de extrema vulnerabilidade e perigosidade para os direitos e interesses legítimos que representamos, importa ter sempre presente essa vulnerabilidade e perigosidade, pois estamos sempre sujeitos a ser abusados. E é por isso que vos aconselho: Nunca lhes virem as costas! Nunca!

7 comentários:

Apache disse...

Uns tábéfe cára? Si précisá di ajuda... mi liga, vai!!!

vero disse...

Obrigada... adorei...
Beijinhos***

Cleopatra disse...

Cuidado que a "gaja" foi condenada!
Podem dizer que eu até posso bater... mas se me condenarem é o mesmo que dizer.. NÃo PODE!
Livra!
Batam vocês que são mais velhos e mais gordos!

maria disse...

Olá Xavier
Leio deliciada ou teus últimos posts. Andei uns dias bem fora, e bem por fora e agradei-me agora com este estranho regresso aos dias que deixei. Amanhã (que é já hoje) já recomeça a longa marcha pelos dias sem tempo, às vezes sem imaginação e muito menos com o humor que tu consegues transformar em tirinhas de blog.
Tenho andado a ver se cheiro as queijadas de requeijão. Não foram os tempos em que a dieta se impõe e faria como tu! ADORO queijadas de requeijão. Devo até confessar-te, sem embargo, que são mesmo o meu docinho preferido. Mas têm que ser das verdadeiras...feitas à la façon, com requeijão do bom, e agora o melhor que por aqui pelas minhas bandas se vende é o de Seia, sim porque aquele que a minha mãe comprava quando eu era miúda vendido assim enrolado num trapo, deixou de existir. Bem...passou a Páscoa e vou deixar-te uma receita de requeijão, em jeito de troca de receitas secretas. Pega-se um bom requeijão, esmaga-se com um garfinho, junta-se-lhe, bem juntadinho e misturadinho, alhinho muito picadinho, coentrinho bem fininho, uma pitadeca de sal e um bocadinho de pimenta (moída na hora). Tudo esmagadinho e embrulhadinho, envolve-se com um bocadinho de natas. Besunta-se numa bela tostinham pãozinho saído do forno ou o que a imaginação e os recursos permitirem. É uma entradinha recorrente cá por casa. Prometo fazê-la quando trouxeres as queijadinhas.
Boa rentrée.
Boa noite
maria

Apache disse...

Minhá nossa... ké ké isso Sereníssíma Cléo, tá-mi chamando de velho gorrdo? Quáu é, cára?!

Ni disse...

«"castigos moderados" corresponde a um bom par de tabefes;»

...

Sorriso e 0lá, seguido de dúvida:

"Castigos moderados" não pode ser algo 'ligeiramente' mais 'exuberante' (ai eufemismos, como sois preciosos em certas circunstâncias... risos...)neste caso específico??? É que me estão a bailar na mente umas imagens sugestivas, apropriadas a este... ahn... (como posso ser eufemística, agora?) a este regente de banda (não disse bando!)?

...

Ni*... pacificamente a sorrir

Cleopatra disse...

Oi Apache... é mais velho?
Aposto que consegue ser mais gordo!