quarta-feira, março 29, 2006

QUESTÃO SOCRÁTICA: REMODELO OU NÃO REMODELO?

-Ó Zé, ZE´!
- Que excitação! Diz lá Alberto !
- 'Tou farto de acusações gratuitas! Repara que nós os políticos temos sido alvo de enormes acusações gratuitas! GRATUITAS!!
- É verdade! Uns energúmenos...
- Tenho a solução!
- Óptimo! Qual é?
- Acabar com a gratuitidade! É simples: é só implementar uma taxa pesada a pagar por quem pretenda apresentar queixa contra ou denunciar um político!! Que tal?
- Ó Alber... (oh não!) As tuas soluções Alberto...!!! Ó f*#"=&%cumC"^~"/+*! (isto não me está a acontecer...)

3 comentários:

maria disse...

Respondo-te como? No meu ou no teu blog? Esta é de repente uma dúvida insanável.
O real é apenas uma produção da realidade, uma representação discursiva ou não, mais ou menos simbólica mas sempre apreendível pelos sentidos. E se o real é uma produção, resultado das representações individuais, importante é que os códigos utilizados sejam os mesmos ... ou apreensíveis de forma idêntica.
Estou a filo-cacarejar, mas gostei mesmo foi que tivesses gostado do meu postzito. E com isto respondi ao meu no teu...
O teu é mais difícil, percebo os códigos, entendo as "lamúrias", mas este é o país que construímos. Os governantes foram democraticamente eleitos, somos um estado de direito, e por isso acredito na separação de poderes latu sensu. E podemos e devemos exercer a cidadania como direito e como dever...nem que seja borregando.
O que precisamos é de uma boa imaginação, capaz de fantasiar o infantasiável. Restam-nos sempre em momentos pouco inspirados, as flores aos molhos dos teus pessegueiros e as minhas túlipas escancaradas na varanda.
Fica bem.
maria

DarkMorgana disse...

Ó Xavier!
Não lhes dê ideias!!!!

xavier ieri disse...

Eles não precisam. Pelo menos de más idéias.
Mas olha que isto não é apenas idéia...