quinta-feira, outubro 26, 2006

SE BEM QUE NEM POR ISSO NEM POR TÃO POUCO

Ok! Ok!
Já percebi!

Ou me dedico aqui aos jogos florais ou fico sem "clientela"...

Sim, porque isto de zurzuir nas orelhas do poder não traz popularidade a ninguém, especialmente perante políticos de tão elevada... elevada... firmeza! Isso! Firmeza e capacidade para... para... para, brava e corajosamente, bater na cabeça dos pequenos e nas costas dos grandes.

Mas, agora reparo, lá vou eu novamente!

Chiça!

Já chega!!!

Até porque houve em Portugal quem se tivesse dado muito bem na vida, sem um tostão furado.

Para o provar e para desanuviar, embarcando desde já na cena-dos-jogos-florais-interessantes-que-põem-toda-a-gente-bem-disposta, aqui vai:

SONETO DO EPITÁFIO

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia — o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole "sub-venites" em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

"Aqui dorme Bocage, o putanheiro;
Passou vida folgada, e milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro".

BOCAGE

11 comentários:

Anónimo disse...

Continua incoformado pois e' muito bom ser assim...
Eu tb sou...
lol
TG

Sónia Sousa Pereira disse...

A clientela fiel mantém-se!

:-)

S.

xavier ieri disse...

Olá carinhas larocas, Gente Tão Linda e Sónia,

Nem sei como ainda T~em paciência para aqui vir aturar-me.

beijinho

DarkMorgana disse...

Também...com 5 postagens de escárnio e mal dizer no mesmo dia, é natural que quem muitas vezes nem tem tempo de ir ao próprio blog, não consiga dar vencimento...

Mas como hoje sou eu que estou com mau feitio...devo dizer-lhe que esta "cena(...)bem disposta" não me pareceu nada bem...

E ainda por cima o Epitáfio escreve muito mal!

xavier ieri disse...

O "epitáfio" chama-se Bocage.
Na escola não se aprende esta poesia.
Porque tem "asneiras".
Daquelas de pôr pimenta na língua.
Acontece que o puritanismo é, para mim, uma coisa bacoca.

Nunca entendi o medo das palavras.

Ao longo da vida tenho vindo a descobrir que quanto mais puritanismo em público maiores os vícios privados.
Públicas virtudes e privados vícios.

Pois para mim é muito mais indecente, mal educado, asneirento, pornográfico até, todos aqueles que não respeitam a dignidade das pessoas, a dignidade humana, que não reespeitam o outro, apenas porque é diferente ou está inferiorizado.
Esses sim, são uns filhos da puta.

Já não tenho paciência para as merdinhas bem comportadinhas, apenas para que pareça bem... blá... blá...

Enfim, este é o meu quinhão de má disposição.

Afinal, um blog, excêntrico, deve também servir para isto!

Mas como nada disto é pessoal, obviamente, aqui deixo um beijinho.

xavier

Cleopatra disse...

O Bocage conseguiu fazer alguma coisa à borla neste país!
Viva o Bocage!

O raio do Epitáfio vem mesmo a propósito.

ferreira disse...

Este, também , não é mau! Se me permite e o estado de espirito está igual ao seu, sirva-se, se não, paciência!
VIVA A ÁGUA

Escrito por Manoel Maria Barbosa du Bocage - Um clássico da literatura
Portuguesa:

A ÁGUA

Meus senhores eu sou a água

que lava a cara, que lava os olhos

que lava a rata e os entrefolhos

que lava a nabiça e os agriões

que lava a piça e os colhões

que lava as damas e o que está vago

pois lava as mamas e por onde cago.

Meu s senhores aqui está a água

que rega a salsa e o rabanete

que lava a língua a quem faz minete

que lava o chibo mesmo da rasca

tira o cheiro a bacalhau da lasca

que bebe o homem que bebe o cão

que lava a cona e o berbigão

Meu s senhores aqui está a água

que lava os olhos e os grelinhos

que lava a cona e os paninhos

que lava o sangue das grandes lutas

que lava sérias e lava putas

apaga o lume e o borralho

e que lava as guelras ao caralho

Meu s senhores aqui está a água

que rega as rosas e os manjericos

que lava o bidé, lava penicos

tira mau cheiro das algibeiras

dá de beber às fressureiras

lava a tromba a qualquer fantoche e

lava a boca depois de um broche.

Divulguem esta pérola da nossa literatura...

Anónimo disse...

remover o anterior post

Anónimo disse...

Razão tem o Xavier... ficou "tudo" com vontade de comentar...
Já agora, quem também tenho mau feitio... Não há por aí uma aguinha milagrosa que lave o lixo que entope os corredores do poder?

DarkMorgana disse...

Xavier ierizinho...
É claro que eu sei que o "epitáfio" se chama Bocage...

Quanto ao soneto:não é por causa das asneiras, (lá tá ele com as asneiras)até porque também as digo e também as escrevo quando me apetece - só que naquele dia não me apeteceu gostar e pronto! Assim como ponho música aos gritos quando oiço vizinhos a discutir (mesmo quando não dizem asneiras)!

E não me venha dizer que é por puritanismo, porque se me impingirem uma missa, ou lições ridículas de moral, reajo exactamente da mesma maneira!

Ou ...será que preferia que eu dissesse que tinha gostado muito e mais uma série de merdinhas bem comportadinhas, apenas para que lhe paresse bem...

xavier ieri disse...

Olá Morgana,
A sua liberdade é a minha liberdade.
Por isso, podemos discutir tantoi quanto o queremos fazer.
E isso é saudável.
O ponto comum é o profundo respeito.
E isso, está muito presente.
Quanto ao mais, são os sinais, não dos tempso, mas sim os sinais dos dias, dos dias que correm...
Por fim, não a tenho por pessoa "bem comportadinha".
Tenho-a, pura e simplesmente por pessoa. ponto final.
um beijo Morgana e bom fim de semana.