segunda-feira, dezembro 12, 2005

VACA, ESSA INEVITABILIDADE

Portugal é uma vaca.

E é uma vaca com um úbere cheio de tetas.

A vaca é normalmente alimentada a palha nacional.

Já o seu úbere tem recebido fundos comunitários desde há cerca de duas dezenas de anos.

Até agora, as clientelas e os chicos-espertos mais não tinham do que, usando de toda a trucagem, conseguir uma teta e, como soe dizer-se, 'mamar à grande e à francesa' (seja lá isso o que for, por exemplo, pode ser plantações de jeep's).

Acontece que a fonte que alimenta o úbere está a secar.

Parece também que vai faltando terreno para plantar tanto jeep.

As clientelas, porém, qual bezerro em vias de desmame, não se conformam e querem mais leite nas "suas" tetas.

Até que alguém gritou: Eureka! perdão, gritou: 'Oh! Teta!'.

Pensei até que era lapso e seria uma nova treta.

Não era.

Era, isso sim, uma nova teta!

E tratada com carinho: oteta, que quer dizer, como toda a gente sabe, uma otazinha, pequenina.

Mas, para disfarçar, chamaram-lhe ota e pronto.

Portanto, nova teta já há.

Agora é preciso enchê-la.

E não é com palha nacional, directamente, não. É muito mais refinado.

O úbere que alimentará a nova teta será injectado com leite em pó europeu (nós damos a água para a reconstituição do nutritivo alimento natural, que virá do Alqueva não se sabe bem como, mas isso agora não interessa para nada).

Isso dará a ilusão, por algum tempo, de que a vaca vende saúde.

Mas esse derradeiro esforço da pobre vaca poderá ser fatal, especialmente porque se conjugam vários factores adversos:
- São mais os que mamam nas tetas da vaca do que aqueles que contribuem com fardos de palha;
- A palha nacional é caloricamente fraca, produz pouco leite.

O que significa que, por esta via, no futuro dificilmente a vaca produzirá leite suficiente para as clientelas internas e ainda para exportação.

Calhando, o melhor mesmo é esquecer o problema da vaca.

Virem-se para os vossos quintais, para os vasos de flores, para as vossas varandas.

Plantem uma couve e mais as flores, criem uma ovelhazita e tenham a vossa própria teta privativa.

Calhando ainda, produzem excedentes e com eles sempre se pode comprar mais palha para alimentar a vaca.

Sim, porque no mundo global já não se pode imaginar um qualquer regime, mesmo democrático, sem sua vaca.

2 comentários:

AC disse...

Temos a vaca Ota e a TGV e, parece, também uma p'ra refinar, porque para esta também vamos entrar com uns bons fardos de palha!
E quando a teta secar mesmo, aqui no meu quintal já tenho umas couvitas! Não tenho é o jeep!!!
http://desgovernos.blogs.sapo.pt/

Francisco Bruto da Costa disse...

Por favor não esqueçam as "Scuts", que são uma "vaca" que gasta mais dinheiro que DOIS TGVs Lisboa/Madrid.